Fórum Econômico Mundial discute crise de confiança no mundo digital

Fórum Econômico Mundial discute crise de confiança no mundo digital

 

Relatório destaca seis áreas prioritárias de ação: acesso e adoção, identidade, impacto social positivo, segurança, governança e dados.

 

Construir uma economia digital e uma sociedade confiáveis, inclusivas e sustentáveis ​​requer atenção urgente em seis áreas prioritárias, de acordo com um novo relatório, Nosso Futuro Digital Compartilhado, publicado recentemente pelo Fórum Econômico Mundial.

O relatório representa um esforço colaborativo de líderes empresariais, governamentais e da sociedade civil, especialistas e profissionais. Ele segue um diálogo de 18 meses com o objetivo de restaurar a capacidade da internet de fornecer desenvolvimento social e econômico positivo.

Foi lançado em um momento histórico: o dia em que, pela primeira vez, atingimos a marca de mais da metade da população mundial conectada à internet. Ao mesmo tempo, menos da metade dos que já estão online confiam que a tecnologia melhorará suas vidas.

Com 60% da economia global prevista para ser digitalizada até 2022, continua a existir um enorme potencial para a Quarta Revolução Industrial retirar mais pessoas da pobreza e fortalecer as sociedades e comunidades. No entanto, o sucesso depende da colaboração efetiva entre todos os grupos de partes interessadas. Os autores, além de desvelar seis áreas-chave de ação, também destacam vários esforços existentes nos níveis global e local, onde a colaboração está ajudando a restaurar a confiança e a proporcionar benefícios sociais amplos.

As seis áreas prioritárias para colaboração de participação múltipla são:

1 – Acesso à Internet e adoção
O crescimento do acesso à Internet diminuiu de 19% em 2007 para 6% em 2017. Ao mesmo tempo, atingimos a marca de 50% da população mundial conectada à Internet. Para fechar o fosso digital, é necessário mais investimento para não só fornecer acesso, mas também melhorar a adoção.

2 – Boa identidade digital
Em 2020, o usuário médio da Internet terá mais de 200 contas online e, até 2022, estima-se que 150 milhões de pessoas tenham identidades digitais baseadas em Blockchain. No entanto, 1 bilhão de pessoas atualmente carecem de uma identidade formal, o que as exclui da crescente economia digital. Boas soluções de identidade digital são fundamentais para lidar com essa divisão, capacitar indivíduos e proteger seus direitos na sociedade.

3 – Impacto positivo na sociedade
Até 2022, estima-se que 60% do PIB mundial será digitalizado. Em 2018, espera-se que as empresas gastem mais de US $ 1,2 trilhão em esforços de transformação digital. No entanto, apenas 45% da população mundial acredita que a tecnologia irá melhorar suas vidas. As empresas precisam navegar pela ruptura digital e desenvolver novos modelos e práticas de negócios responsáveis.

4 – Cibersegurança
Os ataques cibernéticos resultam em perdas anuais de até US $ 400 bilhões para a economia global. Mais de 4,5 bilhões de registros foram comprometidos por agentes maliciosos no primeiro semestre de 2018, acima dos 2,7 bilhões de registros em todo o ano de 2017. Um ambiente digital seguro e seguro exige normas e práticas globais para mitigar os riscos cibernéticos.

5 – Governança da Quarta Revolução Industrial
Os formuladores de políticas e os modelos tradicionais de governança estão sendo desafiados pela magnitude e velocidade das mudanças tecnológicas da Quarta Revolução Industrial. O desenvolvimento de mecanismos de governança novos e participativos para complementar as políticas e regulamentações tradicionais é essencial para garantir benefícios generalizados, fechar o fosso digital e abordar a natureza global desses desenvolvimentos.

6 – Dados
A quantidade de dados que mantém a economia digital fluindo está crescendo exponencialmente. Até 2020, haverá mais de 20 bilhões de dispositivos conectados globalmente. No entanto, não há consenso sobre se os dados são um tipo de moeda nova para as empresas comercializarem ou um bem público comum que precisa de regras e proteção mais rigorosas. A economia digital e a sociedade devem preencher essa lacuna desenvolvendo inovações que permitam que a sociedade se beneficie dos dados e, ao mesmo tempo, proteja a privacidade, a inovação

“O ambiente digital é como o nosso ambiente natural”, disse Derek O’Halloran, chefe do Futuro da Economia Digital e da Sociedade, no Fórum Econômico Mundial. “Todos nós – governos, empresas, indivíduos – temos o dever de garantir que permaneça limpo, seguro e saudável. Este documento marca um passo em frente na oferta de um plano para uma melhor Internet, todos nós podemos trabalhar para: um que é inclusivo, confiável e sustentável.

O relatório faz parte do trabalho em curso do Fórum Econômico Mundial para fornecer uma plataforma para acelerar, ampliar ou catalisar os esforços de colaboração de empresas, governo, academia e sociedade civil para avançar no sentido de uma economia digital inclusiva, confiável e sustentável. O relatório fornece uma visão geral das principais questões para a economia digital e a sociedade, estabelece prioridades para a colaboração de múltiplas partes interessadas para o próximo ano e destaca as principais iniciativas e recursos existentes.

“Nossas instituições, mecanismos e modelos existentes estão lutando para responder efetivamente ao ritmo das mudanças digitais e à sua natureza distribuída. Este relatório identifica áreas críticas para parcerias público-privadas para ajudar a restaurar a confiança em um futuro digital inclusivo e próspero”, disse Jim Smith, diretor executivo da Thomson Reuters e co-presidente da Iniciativa do Sistema do Fórum Econômico Mundial sobre a formação do futuro da Economia Digital e Sociedade.

“Embora reconheça que os desenvolvimentos digitais alimentam muitas oportunidades nas esferas política, comercial e social, um ponto-chave deste documento é a necessidade de focar na inclusão e abordar as divisões digitais; somente incorporando mais vozes e visões – no desenvolvimento de políticas e comerciais – seremos capazes de criar uma sociedade que realmente beneficie a todos”, disse Lynn St. Amour, presidente do Grupo Consultivo Multissetorial do Fórum de Governança da Internet da ONU (IGF), e Co-Presidente da Iniciativa do Sistema de Fórum Econômico Mundial sobre Modelagem. o futuro da economia digital e da sociedade.

“Precisamos maximizar os benefícios da digitalização para criar uma economia inclusiva, fechar a lacuna de desigualdade e melhorar a distribuição de renda globalmente”, disse Rudiantara, Ministro de Comunicação e Tecnologia da Informação da Indonésia.

“É hora de aposentarmos o termo ‘economia digital’. Há apenas uma economia que está digitalizando a uma velocidade variável. Portanto, regimes regulatórios especiais para empresas digitais não fazem sentido. Precisamos desenvolver políticas ágeis e consistentes que se apliquem a todos os atores em uma realidade de mercado modificada, onde a tecnologia e os dados são onipresentes”, ponderou Gillian Tans, CEO, Booking.com.

Fonte: https://cio.com.br/forum-economico-mundial-discute-crise-de-confianca-no-mundo-digital/

5 de fevereiro de 2019
Voltar para Blog