O agronegócio brasileiro mais inteligente

E agora, Agronegócio?

 

 

Um dia, nós urbanos, começamos a nos questionar o porquê o nosso espaço está sendo invadido pelo tal Agronegócio. Nas redes sociais, TV, rádio, matérias internacionais, feiras e congressos do mundo agro. Até chegar naquele ponto incômodo, quando nos sentimos obrigados a mergulhar e compreender o que, por que? No meu caso, fui entender como passamos, perdemos e lucramos com todos os ciclos econômicos brasileiros. Desde o Pau-Brasil, nossa primeira commodity para exportação, passando pela borracha, cana-de-açúcar, cacau, café – até o impressionante recorde de 117 milhões de toneladas de grãos de soja, o recorde mundial atingido em 2018.

 

Como a tecnologia auxilia o agronegócio?

A tecnologia auxilia o produtor agrícola, incluindo pequenos e médios, a melhorar o retorno sobre seus investimentos na agricultura e na pecuária. Isso acontece não apenas na área da gestão do negócio (como na área financeira ou de transportes), onde a tecnologia chegou primeiro. Agora o produtor pode aplicar pesadamente os recursos digitais diretamente na produção, consolidando dados de diferentes fontes, como, por exemplo, os dados dos sensores do próprio trator, imagens produzidas por drones e até big data. Sistemas como os da SAP são capazes de consolidar esse mar de dados e extrair informações que são realmente úteis ao negócio, de maneira simples e rápida.
Dessa forma, otimiza-se todo o processo, que se torna mais previsível. Produz-se mais por hectare, gasta-se menos com insumos (que passam a ser apenas usados quando e onde são necessários), e reduz-se perdas.
Como resultado, a qualidade do produto fica melhor e e ele fica mais barato, e toda a produção se torna mais sustentável, atendendo a clientes cada vez mais exigentes, inclusive internacionais.

 
Especialistas de mercado compartilham suas visões do uso de tecnologias para tornar o setor mais competitivo. Faça o download do documento.

 

Fonte: https://www.sap.com/brazil/documents/2018/02/ocial-eos-br-Finance

28 de novembro de 2018
Voltar para Blog